sexta-feira, 31 de agosto de 2012

FLAGRANTES DA NATUREZA



MUNGUBA

ASPECTO DA FRUTA

POSSUI UMA CASCA MUITO RÍGIDA

 DIVIDIDA EM VÁRIOS "GOMOS" MOSTRANDO A MORFOLOGIA EXTERNA

UM DOS "GOMOS" QUE SE ABRIU MOSTRANDO A MORFOLOGIA INTERNA

SEMENTES MUITO GRANDES
ASPECTO DA FLOR DA MUNGUBEIRA

MAIS DE PERTO: OBSERVE SUA MORFOLOGIA

Pachira aquática, conhecida vulgarmente como munguba, mamorama, castanhola, castanha do maranhão. É uma árvore frondosa da família Malvaceae, antiga (Bombacaceae) nativa da América Central e da América do sul, cujas folhas pecioladas e digitadas apresentam de 5 a 9 folíolos verde escuro. Suas flores com 5 pétalas muito grande são castanho avermelhado e suas sementes são comestíveis.
Estudos desenvolvidos sobre a composição das sementes demonstraram que a Pachira aquática tem um elevado teor de óleo em torno de 44,1%, sendo o ácido palmítico o seu principal componente.
Observou-se também a presença de proteína com alto teor de triptofano. Testes toxicológicos realizados sobre a Pachira aquática apresentou discreta toxicidade.
Em geral a árvore vegeta em locais úmidos, nas margens e barrancos de rios e lagos, ou em terrenos alagadiços e brejosos de onde provém a palavra aquática na sua nomenclatura científica.
Entretanto a monguba adapta-se bem a condições diversas de solo e clima, bastante frondosa, possuindo uma copa densa e arredondada. Por tais qualidades e pela beleza e exotismo de suas grandes flores amarelas de pontas avermelhadas, é árvore de reputada função ornamental. A monguba é inclusive, bastante utilizada na arborização de ruas, provando sua adaptabilidade e sua capacidade de medrar até mesmo em terrenos secos.
As castanhas são comestíveis e podem ser consumidas cruas, assadas sobre a brasa, fritas em óleo, cozidas com sal ou torradas.

Classificação Científica:


  • Reino: Plantae
  • Divisão: Magnoliophyta
  • Classe: Magnoliopsida
  • Ordem: Malvales
  • Família: Malvaceae (antiga Bombacaceae)
  • Gênero: Pachira
  • Espécie: P. aquática

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

MANGUEZAL



TECIDO VEGETAL






IPÊZINHO AMARELO

O INÍCIO DO PLANTIO - A SEMENTE
NASCE A PLÂNTULA DICOTILEDÔNEA
PLÂNTULA DICOTILEDÔNEA
SURGE A PLANTINHA
CRESCE E SE DESENVOLVE
PLANTINHA FORMADA COM VESTÍGIOS DA PRIMEIRA DICOTILEDÔNEA



FOLHAS DA PLANTINHA
PLANTA FORMADA
FOLHAS VISTA MAIS DE PERTO
ESTRUTURAS DA PLANTA VISTA MAIS DE PERTO

quarta-feira, 22 de agosto de 2012

LACRAIA OU CENTOPÉIA


ANIMAIS PEÇONHENTOS

FILO: ARTRÓPODES - CLASSE: QUILÓPODES

CABEÇA NA PARTE ANTERIOR COM UM PAR DE ANTENAS, DOIS PARES DE OLHOS E OS MAXILÍPEDES

TRONCO SEGMENTADO (TÁGMAS) COM UM PAR DE PATAS ARTICULADAS

APÊNDICE NA PARTE POSTERIOR ERRADAMENTE CHAMADA DE FERRÃO

TERGITO (PLACA DORSAL)

ESTERNITO (PLACA VENTRAL)

APARELHO BUCAL FORMADO POR UM PAR DE MANDÍBULAS (MANDIBULATA) DOIS PARES DE MAXILAS (MAXILÍPEDES) E UMA ESTRUTURA CHAMADA FORCÍPULA INOCULADORA DE VENENO

DETALHE DAS PLACAS SEGMENTADAS (TERGITO) APRESENTANDO UM PAR DE PATAS

DETALHE DO APÊNDICE

quarta-feira, 15 de agosto de 2012

ARANHA CARANGUEJEIRA
















NA MORFOLOGIA EXTERNA VENTRAL DE CIMA PARA BAIXO VÊ-SE UM PAR DE PALPOS OU PEDIPALPOS (NÃO É PERNA), 8 PARES DE PERNAS FUSIONADAS AO CEFALOTÓRAX E O ABDOME ONDE SE ENCERRA COM O ORIFÍCIO DO ÂNUS

DESTAQUE NA PARTE DE CIMA DAS QUELÍCERAS INOCULADORAS DE VENENO E DOS 8 PARES DE PERNAS FUSIONADAS AO CEFALOTÓRAX 

NA PARTE DORSO DIANTEIRO VÊ-SE 8 OLHOS

OS PÊLOS SÃO CHAMADOS DE TRICOBÓTRIOS

MORFOLOGIA EXTERNA VENTRAL - ACIMA AS QUELÍCERAS INOCULADORAS DE VENENO AO CENTRO 8 PARES DE PERNAS FUSIONADAS AO CEFALOTÓRAX E ABAIXO ABDOME E ÂNUS



Flagrante do momento exato em que a 
aranha caranguejeira ataca!